Empiricus: “Há um código de honra entre os farinheiros”

Farinheiro de verdade não tem ganhos escaláveis: é mais Adam Smith do que Taleb. Foto: Malidate Van/Pexels

Farinheiro de verdade não tem ganhos escaláveis: é mais Adam Smith do que Taleb.

Foto: Malidate Van/Pexels

O TEXTO DA EMPIRICUS é de outubro de 2018, mas, em tempos de Bettina, é ilustrativo do espírito de clickbait da empresa.

“Se você tem algum amigo que cheira cocaína ou se você mesmo carrega o hábito, sabe o exato significado do título desta newsletter [Raspas e restos me interessam]”. Segundo Felipe Miranda, que assina o artigo, “quem separa as carreiras de pó é sempre o último a cheirar. Ele está sob claro conflito de interesse, entende?”.

Nas aulas de Teoria dos Jogos na faculdade de Relações Internacionais, aprendi um exemplo bem mais prosaico para explicar o mesmo conceito: quando duas crianças vão dividir um bolo, basta separar as tarefas. Uma corta o bolo, e a outra escolhe o primeiro pedaço.

Mas o bolo não deve render tantos cliques…

Leia também:

Empiricus entrevistou Schvartsman em 2017 – sem falar de barragens

Gostaria de ajudar A Agência? Contribua com o financiamento coletivo (crowdfunding) do projeto.

Para o Início