Em 2017, Jair Bolsonaro disse querer a morte dos integrantes do MST

Menos de um ano antes de ser eleito presidente da República, Jair Bolsonaro subiu num palanque em Vitória, Espírito Santo. E aproveitou o feriado da Proclamação da República para barbaramente defender que agricultores executassem com “cartuchos 762” os integrantes do Movimento Sem Terra.

“No que depender de mim, o agricultor, o homem do campo, vai apresentar como cartão de visita para o MST um cartucho 762. Àqueles que me questionam se eu quero que mate esses vagabundos: quero, sim!“.

“Quero que matem esses vagabundos do MST”, diz Bolsonaro

Na continuação do discurso, Bolsonaro justificou o assassinato dos invasores alegando que o direito de propriedade permitiria o derramamento de sangue. E prometia buscar o que chama de “excludente de ilicitude” para garantir que os executores não teriam problemas com a Justiça.

Gostaria de ajudar A Agência? Contribua com o financiamento coletivo (crowdfunding) do projeto.

Para o Início