O problema não tem nada a ver com o Hino

Os erros do ministro são muitos, mas a escolha do Hino Nacional não é um deles. Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Os erros do ministro são muitos, mas a escolha do Hino Nacional não é um deles.

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ENVIOU nesta segunda-feira (25) para todas as escolas do País um e-mail pedindo para que, na volta às aulas, seja lida uma carta do ministro Vélez Rodríguez às crianças, e executado o Hino Nacional. A cerimônia deve ser gravada em vídeo, e os trechos enviados à equipe do MEC. O furo foi da repórter Renata Cafardo no Estadão.

O hasteamento da Bandeira Nacional já é obrigatório durante o ano letivo, ao menos uma vez por semana, desde 1971. É o que diz a Lei nº 5 700, em seu artigo 14. Foi assinada por Emílio Médici.

Em 2009, o presidente em exercício José Alencar e o ministro Fernando Haddad assinaram a Lei nº 12 031, que tornou obrigatória a execução do Hino Nacional “[n]os estabelecimentos públicos e privados de ensino fundamental”.

A carta do MEC, portanto, não tem nada a ver com o Hino Nacional, apesar da insistência dos robôs e bolsominions de plantão.

Os problemas são múltiplos e outros:

Desvio de função. O MEC é pago para cuidar da educação e não para produzir vídeos.

Ingerência indevida. Não cabe a um ministro pedir que uma comunicação sua seja lida a pessoas que não são seus subordinados, especialmente crianças.

Uso de imagem. O MEC não pode induzir escolas a enviarem imagens de crianças, especialmente sem autorização dos pais.

Uso da máquina. Vélez Rodríguez conseguiu enviar e-mails a todas as escolas do País unicamente por ser ministro da Educação. É um uso perverso de mala direta.

Slogan eleitoral. Vélez Rodríguez não pediu apenas que seja executado o Hino, mas “que seja lida a carta que segue em anexo nesta mensagem”. O texto encerra com o slogan eleitoral de Jair Bolsonaro: “Brasil acima de tudo. Deus acima de todos!”.

A ideia do Janine Ribeiro da direita, portanto, não tem um único defeito por causa da música. Podia até ser a música do Sonic. Os defeitos são outros, e muito graves.

Leia também:

No MEC, Vélez Rodríguez indica gente como ele: sem experiência

Cadastre-se para receber atualizações de A Agência por e-mail ou Whatsapp.

Para o Início