Pai de repórter atacada por Bolsonaro é especialista em milícias

Família Bolsonaro não escolhe alvos à toa. Foto: Kaboompics/Pexels

Família Bolsonaro não escolhe alvos à toa.

Foto: Kaboompics/Pexels

CHICO OTAVIO é repórter de O Globo. Quem não sabia disso até este domingo (10) foi informado pelo próprio presidente da República via Twitter. Ele é pai da também repórter Constança Rezende, do concorrente Estadão, a quem Bolsonaro atacou com uma ‘fake news’ que não se sustenta ao se ouvir os aúdios que ele mesmo publicou.

Mas há algumas coisas sobre Chico Otavio que o Presidente não informou aos seus 3,6 milhões de seguidores no Twitter. Chico Otavio é um repórter dos bons, e especialista em cobrir um tema sensível à família Bolsonaro: as milícias do Rio de Janeiro.

Uma rápida pesquisa no Google acha as seguintes reportagens, todas assinadas por Chico Otavio e mais um ou dois repórteres:

Polícia aponta 25 políticos suspeitos de ligação com milícias (14.set.2012)

Rio tem 300 currais eleitorais do tráfico ou milícia (09.set.2018)

Assassinatos sem solução ligados à contravenção e a milícias terão investigação retomada (10.jan.2019)

Imóveis de acusados de chefiar milícia têm como marca cuidado com segurança e uso de câmeras (23.jan.2019)

Ex-oficial e chefe de milícia já era citado por morte e invasão, antes de expulsão da PM (29.jan.2019)

Chico Otávio e Vera Araújo também assinam esta reportagem, muito significativamente:

Alvos de operação, milicianos foram homenageados por Flávio Bolsonaro em 2003 e 2004 (22.jan.2019)

Na família Bolsonaro, nenhum alvo é escolhido à toa.

Leia também:

Dias antes de cair, Bebianno peitou ameaças que suspeitava virem de milicianos

Em 2011, Flávio Bolsonaro disse que Patricia Acioli “humilhava policiais”

Siga A Agência no Twitter, Instagram e LinkedIn.

Para o Início