4 erros de cibersegurança cometidos por Bolsonaro

As fotos publicadas no Twitter expuseram o Presidente até a um ataque com arma. Foto: Elza Fiuza/Agência Brasil

As fotos publicadas no Twitter expuseram o Presidente até a um ataque com arma.

Foto: Elza Fiuza/Agência Brasil

A ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) informou a A Agência nesta quinta-feira (21) que não iria comentar pauta a respeito de violações de cibersegurança por parte do presidente Bolsonaro e do ministro Ricardo Salles.

Durante a última internação no Hospital Albert Einstein, o presidente e o ministro do Meio Ambiente publicaram no Twitter fotografias que podem ser usadas por hackers e espiões para ter acesso a informações sigilosas e até fazer um ataque a Bolsonaro.

Scott Stewart, vice-presidente de análise tática da Stratfor, falou com exclusividade para A Agência por e-mail. “Sei que o Presidente está interessado em mostrar aos brasileiros que está em boa saúde”, contou ele no dia 13 de fevereiro, “mas há riscos inerentes em divulgar fotos assim”.

1. Fotos revelam estado de saúde

Disse Stewart: “A maior parte das agências de inteligência têm equipes que coletam inteligência sobre líderes mundiais, sua saúde e psicologia. Ao olhar fotos tiradas dentro do quarto de hospital do Presidente, médicos que trabalham para essas agências podem observar as máquinas e remédios e obter bastante informação sobre sua saúde”.

2. Não se deve postar fotos de crachás e documentos

Sobre os crachás visíveis em algumas fotos, comentou: “nunca é boa ideia postar documentos de identidade ou crachás de acesso em mídias sociais. Fotos permitem que pessoas as copiem e ganhem acesso a áreas sensíveis”.

3. Fotos de telas ajudam os hackers

As fotos de computadores e outros equipamentos do Presidente e sua família, contou Stewart, “podem ajudar hackers que tentam atingir o Presidente a refinar seus ataques. Por exemplo, ao saber que ele tem um MacBook e um Dell e os programas que usa, ou seu modelo de telefone”.

4. Foto revelou quarto no hospital

Finalmente, Stewart disse o mais grave: “publicar fotos que mostram as janelas do quarto de hospital poderiam ajudar a localizar o quarto se alguém quisesse atacá-lo com alguma arma de longa distância”.

Uma das perguntas de A Agência ao GSI foi se o gabinete ou a Abin verificam as fotografias do Presidente antes de sua publicação. A assessoria informou que não irá se manifestar.

Leia mais:

Fotos de Bolsonaro e filho no Twitter expõem País a hackers e espiões

‘Folha’ alertou para uso inseguro de WhatsApp por Bolsonaro

Curta a página de A Agência no Facebook.

Para o Início