Porta-voz contradiz ‘foro íntimo’ sobre Bebianno

O porta-voz Rêgo Baros: ou é 'foro íntimo', ou é para fazer de forma 'consensual'. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O porta-voz Rêgo Baros: ou é ‘foro íntimo’, ou é para fazer de forma ‘consensual’.

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

O PORTA-VOZ DA Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros, se contradisse nesta segunda-feira (18) ao explicar a demissão de Gustavo Bebianno no briefing à imprensa.

À repórter Tânia Monteiro, do Estadão, Rêgo Barros disse, duas vezes:

“o motivo da exoneração do ministro Bebianno é de foro íntimo do nosso Presidente”.

Questionado depois por Delis Ortiz, da TV Globo, o porta-voz ofereceu outra resposta:

“O nosso Presidente demandou o tempo necessário para consecução da sua decisão em função de vários atores, de várias ações, e é natural que, pensando em nosso País, isso se faça de forma mais consensual e ao mesmo tempo mais maturada possível”.

Vamos ignorar o óbvio absurdo que um presidente da República não pode demitir ministro por questões de foro íntimo porque elas também não servem para contratá-lo.

Que espécie de motivo de foro íntimo se dá em função “de vários atores”? Qual decisão de foro íntimo se dá “pensando em nosso País”? E a mais difícil: como explicar uma decisão de foro íntimo que leva tempo para ser feita “de forma consensual”?

A gente achava que o Presidente tinha exposto boa parte de sua intimidade nas fotos que publicou do hospital. Pelo jeito, na verdade, intimidade é coisa que ele não tem.

Cadastre-se para receber atualizações de A Agência por e-mail ou Whatsapp.

Para o Início